CLICK HERE FOR BLOGGER TEMPLATES AND MYSPACE LAYOUTS »

domingo, 8 de junho de 2008

FUTEBOL- ÒPIO DO POVO

Pode parecer , pelo titulo deste post, que não gosto de futebol,nada mais errado , eu adoro futebol, durante o próximo mês não se vai ouvir falar noutra coisa que não seja o Euro 2008, o que o O Eng. Sócrates agradece uma vez que os olhos vão estar virados para õs jogos da selecção e não para os seus jogos o que lhe dá aqui uma folga ás costas,tenho mesmo como dado adquirido que por ele havia Europeus e Mundiais de Futebol de 6 em 6 meses e seria obrigatório a nossa selecção estar presente em todos eles ,para que a malta se mantivesse entretida e não o chatiassem muito. Contra o espanto de muitos não é de estranhar a capacidade de mobilização que a nossa selecção consegue provocar ,vemos na selecção aquilo que os politicos não conseguem fazer , Atingimos objectivos ,estamos entre os melhores , vencemos muitas vezes e somos uma potência para além de os nossos melhores profissionais serem muito cobiçados , e uma coisa muito importante os outros paises neste campo olham para nós com muito respeito. Não nos podemos por isso espantar de ver muitas vezes uma classe politica na maioria das vezes incompetente colada em caso de sucesso ao futebol para dai retirar dividendos da mais variada ordem. É um facto vemos na selecção aquilo que gostariamos de ver no governo , governo que não demonstra a competência da selecção sendo mais fácil parasita-la. Tenho a esperança de ver o Sócrates e o resto da cambada dele e dos outros no Aeroporto a espera da selecção seria concerteza para nós um motivo de alegria , alegria esta que a nossa mediocre classe politica teima em não nos dar. Por isso o Futebol é o ópio do povo.


JOY

12 comentários:

Tiago R Cardoso disse...

E faz tão bem, de vez em quando consumir um pouco desse opio, esquecer tristezas e por momentos sermos um só país.

Pena que seja só pela selecção, mesmo assim, menos mal.

Um abraço e muito obrigado pelas tuas palavras.

Tiago

Miguel Ângelo disse...

Afinal, somos os país dos três éfes: futebol, fado e Fátima.
Deixemos o futebol "abafar" as tristezas e lágrimas de um povo.
Um abraço
Miguel Ângelo

António de Almeida disse...

-O Socrates nunca estaria no aeroporto á espera da selecção, em caso de presença na final tanto ele como o Presidente da Republica estarão em Viena, nem e admitando que regressassem no mesmo avião.

São disse...

Parabéns pela lucidez. Joy!
Feliz feriado.

Sofia disse...

Grande chamada de atenção, Joy!
O problema, de facto, é o dinheiro dos contribuintes de um país pobre que vai para tudo menos para o que realmente interessa... mas sempre anima a malta! :)

Louise disse...

JOY
Há que fazer opções quando não se tem dinheiro e as opções não podem ir para o supérfluo.
Um texto muito lúcido e informado.

Beijos

Paulo disse...

Concordo plenamente. O futebol é de facto o ópio do povo. Num período conturbado da vivência portuguesa, onde se esgotam os combustíveis, onde o custo de vida aumenta todos os dias em todos os sentidos, o futebol é o colírio que precisamos para manter a esperança e o desejo de dias melhores, que não virão, com toda a certeza, infelizmente.
Um abraço

Blondewithaphd disse...

Só é pena é os suíços nos terem ontem pregado uma valente partida!!! :)

São disse...

Fica bem!

Carol disse...

Agora que a droga acabou (para nós, pelo menos), resta a ressaca...

. R disse...

Enquanto a droga não se tornar veneno... tudo bem.

Jose Martins disse...

Mas o que seria de Portugal sem o futebol? O que seria daqueles "portugas", emigrantes, sem o cachecol, sem os aplausos e o a mor a Portugal, o dr. Jorge Sampaio a visitar os jogadores e almoçar com eles na Suiça, as loucuras do "poviléu" em Viseu à espera do Cristiano e entrou pela porta do cavalo, o Roberto Leal na mesa com o Scolari, o Toni Carreira a cantar para as meninas,velhas, novas, linda e feias. O Gilberto Madail (ui que coiro!), a vitela de carnes duras e bem sovadas da Nereida do Cristiano. Mas gramei! Os políticos da nossa praça que estavam no jogo em que Portugal foi para o "galheiro", esses desgraçados, cavaram, sem ninguém lhes ver o rasto.. Mais ou menos como o "podengo" quando leva uma biqueirada no rabo, foge com o rabo entre as pernas!